• Carlos Daleno

A natureza e sua capacidade de nos irradiar paz

O segredo da paz interior está na contemplação


Bueno, moçada.

Eu estava no alto da trilha da Lagoinha do Leste, em Florianópolis (SC). Passo após passo, fui vencendo os obstáculos da trilha e a altura e, finalmente, cheguei ao topo do Morro da Coroa.


Ali, em meio às enormes pedras pontiagudas dispostas de uma forma que lembra uma coroa (razão do nome dado ao morro), parei extasiado diante daquela visão maravilhosa da praia espremida entre os morros e o mar.


Lá no alto, era só eu e a natureza. Muito mais do que o sentimento de conquista por ter alcançado meu objetivo na trilha, a sensação que predominava era de absoluta paz interior.


Depois de longos minutos ali, admirando aquele momento único, decidi descer a trilha até a praia. No caminho – e durante muitos dias após essa trilha – eu tentava entender o que fora aquele sentimento de plena tranquilidade que eu experimentei lá em cima do morro.


Desde então, venho tentando reviver aquele sentimento em todos os momentos da minha rotina. Sempre que algo sai do controle ou meu nível de ansiedade aumenta, tento reacender na memória aqueles instantes.


Mas, para meu desalento, a resposta sobre aquilo que senti não veio simples nem rápida.


Somente muito tempo depois, o enigma começou a ser decifrado em alguns artigos que li da revista Vida Simples: o segredo da paz interior daquele instante estava na contemplação.


Conforme disse que faria ao final do artigo Em Busca do Bem-Estar: a importância do contato com a natureza para nossa saúde mental, neste artigo vou tentar abordar o encantamento e admiração pela natureza e como isso nos ajuda a ter paz interior e melhorar nossa saúde mental.


Aqui, vou abordar:


O que é contemplação?


Qual a ligação entre natureza e contemplação?


Só podemos exercer a contemplação em meio à natureza?


Qual a relação entre contemplação e saúde mental?


Boa leitura..


O que é contemplação?


Conforme o dicionário, contemplação é substantivo feminino que significa "ato de concentrar longamente a vista, a atenção em algo; profunda aplicação da mente em abstrações; meditação, reflexão; ato de admirar".


Admiração, por sua vez, é a disposição emocional que traduz respeito, consideração, veneração. Seus sinônimos são arrebatamento, maravilhamento, estupefação, encantamento, fascinação, apreço, estima, entre outros.


Seja qual for nossa escolha de sinônimos, contemplação pressupõe observar atentamente. Contemplar, então, é reparar.


Isso foi o que aconteceu comigo no alto do Morro da Coroa: eu parei e decidi reparar naquilo que estava à minha frente. Ao reparar, fui arrebatado por uma beleza ímpar que me gerou encantamento.


Mas, então, foi a beleza natural do lugar que me gerou aquela sensação gostosa do encantamento?


Qual a ligação entre natureza e contemplação?


As provocações para me debruçar sobre este assunto (encantamento) vieram do documentário Em Busca do Bem-Estar (Netflix, 2020) e do artigo A arte de se encantar com a vida que se tem, escrito pela jornalista e mestre em filosofia Margot Cardoso.


No filme, o monge budista Matthieu Ricard, famoso por ser "a pessoa mais feliz do mundo", afirma:


"Lugares naturais incrivelmente bonitos, amplos e magníficos também elevam a mente. Fazem com que a mente se torne ampla, muito elevada. A natureza provoca admiração. E se sentirmos repetidamente essa sensação de admiração, é evidente que será um estado de espírito muito positivo. É por isso que entramos em sintonia com a natureza". Matthieu Ricard.

No artigo, por sua vez, Margot Cardoso corrobora com essa ideia, afirmando que ao contemplarmos uma paisagem extraordinária, a comparamos com nossa vida e "negociamos um equilíbrio", afinal, o que é o nosso problema diante da grandiosidade daquilo?


"Como não olhar com distância para os nossos projetos falhados diante da vastidão enternecedora da Chapada Diamantina, no nordeste brasileiro?" Margot Cardoso.

E eu, com minha experiência do alto do Morro da Coroa e de outras trilhas, singelamente contribuo: ao estar na natureza, fazemos uma coisa fundamental à contemplação que, na vida corrida do dia a dia, não costumamos fazer: parar e admirar.


Isso mesmo: na natureza, reparamos mais nas coisas. Um pássaro que canta em uma árvore no centro da cidade nos passa despercebidos, enquanto, quando estamos em uma trilha, paramos para observá-lo.


Só podemos exercer a contemplação em meio à natureza?


Está claro que, ao entrar em contato com a natureza, nós geramos esse estado de contemplação e encantamento. Mas não subestime o singelo. Ninguém precisa se mudar para um lugar paradisíaco para se encantar com a vida. Basta mudar a perspectiva que temos sobre o mundo.


Conforme explica o monge Matthieu Ricard em outro trecho do filme Em Busca do Bem-estar, "a mudança verdadeira exige treinamento".


"A natureza provoca admiração. E se sentirmos repetidamente essa sensação de admiração, é evidente que será um estado de espírito muito positivo. É por isso que entramos em sintonia com a natureza, mas é possível intensificar o apreço a essa qualidade, e você pode cultivar esse sentimento de satisfação. E, se isso se tornar parte de você, você ficará bem até em um engarrafamento". Matthieu Ricard.

Mais uma vez, Margot, valida esse ponto de vista:


"O mundo nunca vai ser como você gostaria e você não tem poder sobre ele. A solução não está na vista, mas no olhar sobre a vista. E é nessa tarefa, é para essa mudança fundamental que precisamos das emoções". Margot Cardoso.

Se a natureza e suas belezas nos geram uma contemplação quase que automática, para o nosso dia a dia, no entanto, é preciso treinar o olhar.


"A admiração pode ser racionalmente despertada e fazer parte da nossa vida de todos os dias". Margot Cardoso.

Segundo ela, uma forma de despertarmos esse estado emocional, além da já mencionada conexão com a natureza, é através das artes como a música, as artes plásticas ou a poesia, por exemplo, que nos geram o encantamento estético.


Mas, mais do que isso, ao treinarmos nosso olhar, conseguimos gerar esse estado de contemplação com coisas simples e, até mesmo, em momentos de adversidade.


Qual a relação entre contemplação e saúde mental?


Como disse anteriormente, para contemplar algo - seja uma paisagem, uma obra de arte, uma música ou mesmo um café com os amigos em uma cafeteria no centro da sua cidade - você precisará reparar na beleza desse momento.


Já sabemos que um dos segredos da saúde mental é justamente este: viver o agora. Pois então: para reparar você precisa parar e focar sua atenção para o momento. Ou seja, a contemplação te coloca em sintonia com o tempo presente.


Além disso, a contemplação muda nosso estado anímico e nos prepara para enxergarmos o dia a dia de forma mais leve, como explica Margot:


"A admiração não muda o mundo, mas muda a perspectiva e a forma de olharmos para ele. A admiração aumenta a nossa tolerância à incerteza e nos ajuda a acolher bem o que nos acontece, seja o que for". Margot Cardoso.

Talvez tenha sido isso que me aconteceu no alto do Morro da Coroa e torna a acontecer todas as vezes que saio para uma trilha e me deparo com paisagens magníficas.


Ao me deparar com aquele momento e aquela paisagem magníficas, me senti não responsável pelas agruras do mundo, mas parte do mundo, com seus problemas e suas belezas.


E toda vez que me reconecto com a natureza e gero esse estado de contemplação, isso me realimenta para enfrentar o que vier no dia a dia.

3 visualizações0 comentário